Em audiência, deputados cobram cronograma para retomada das cirurgias eletivas

São mais de 4 mil pacientes que aguardam cirurgias no Piauí, sendo mais de 1.700 de ortopedia
Por Alexandra Teodoro

Um dos encaminhamentos da audiência pública realizada nesta quarta-feira (19), na Assembleia Legislativa, foi um plano de retomada gradual das cirurgias eletivas no Piauí, seguindo a disponibilidade de leitos de UTI disponíveis na rede de saúde. Na oportunidade, a deputada Teresa Britto (PV) e o deputado João de Deus (PT), proponentes da audiência, cobraram um cronograma por parte da Sesapi para que a retomada das cirurgias eletivas e de urgência no Estado seja efetivada.

“São mais de 4 mil pacientes que aguardam cirurgias no Piauí, sendo mais de 1.700 de ortopedia. Entendemos a situação da Covid-19 no Estado e em todo o mundo, mas também há várias outras enfermidades que precisam de atenção do Poder Público. Agora, vamos acompanhar esse plano gradual de retomada pela Sesapi, que precisa de um cronograma e metas viáveis. Não é o ideal, mas já é uma luz no fim do túnel para milhares de pacientes que necessitam”, diz a deputada Teresa Britto.

O secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, destacou que, no período de setembro de 2020 a março de 2021, o Piauí retomou as cirurgias eletivas, mas, por conta do agravamento da pandemia, foi preciso suspender os procedimentos. “Mesmo com a paralisação, alguns setores como neurologia, cardiologia e oncologia foram mantidos. Agora, precisamos ter a desocupação dos leitos que estão sendo utilizados no pós-operatório para retomar, de maneira gradual, as cirurgias eletivas”, explica.

Como encaminhamento, também foi deliberado à Sesapi um cronograma para a realização das cirurgias eletivas, bem como a organização da rede de saúde para que os procedimentos também sejam feitos nos hospitais regionais do Estado. Também participaram da audiência representantes do Conselho Estadual de Saúde, OAB-PI, Hospital Universitário, Hospital Getúlio Vargas e demais entidades ligadas à área da saúde no Estado.

Saiba mais sobre: