Com 437 votos a favor, Câmara cassa mandato da deputada Flordelis

Parlamentar é acusada de mandar matar o marido
Por O Globo
Foto: Globo.comFlor de Lis
Flor de Lis

O plenário da Câmara dos Deputados cassou o mandato da deputada Flordelis dos Santos de Souza (PSD-RJ). O Conselho de Ética havia recomendado a cassação de Flordelis, há dois meses, por 16 a 1. Foram 437 votos a favor e apenas 7 contra a cassação da deputada. Ela ainda recorreu à CCJ, mas foi derrotada pela unanimidade de 47 votos contra seu recurso e nenhum favorável. Após a cassação, a prisão preventiva de Flordelis foi pedida à Justiça pelo advogado Ângelo Máximo, que representa a família do pastor Anderson do Carmo, marido da pastora assassinado em 2019.

— Meu mandato foi cassado de forma cruel e covarde — disse Flordelis, após a decisão, e acrescentou: — Saio daqui pra lutar pela minha inocência e liberdade. Não cometi crime algum.

Flordelis declarou ainda que o marido assassinado deveria ter pago pelos crimes que cometera:

— Meu marido precisava estar vivo para pagar pelas coisas monstruosas que ele fez.

Entre os sete deputados que votaram contra a cassação, dois são do Rio de Janeiro: Glauber Braga (PSOL) e Jorge Braz (Republicanos). Também se opuseram à perda do mandato os parlamentares Carlos Gaguim (DEM-TO), Dimas Fabiano (PP-MG), Fausto Pinato (PP-SP), Leda Sadala (Avante) e Maria Rosas (Republicanos).

Flordelis responde na Justiça pela acusação de ser mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, crime que ocorreu em junho de 2019, em Niterói (RJ). O relator Alexandre Leite afirmou no plenário que Flordelis não está sendo acusada, na Câmara, se mandou matar ou não seu marido. Mas por outras questões, como uso do prestígio de deputada para induzir o filho assumir o assassinato e depois atuaria em tribunais superiores para livrá-lo de uma condenação.

Ele a acusou ainda de falseamento da verdade, ao negar a compra da arma do crime. O relator entende que Flordelis era a única pessoa da família com recursos financeiros para pagar R$ 3,5 mil na aquisição da arma do crime.

'Perigosa, desvirtuada e manipuladora'

Leite disse ainda que o pastor Anderson era quem realmente tocava o mandato da deputada e que depois de sua morte, sua produção parlamentar caiu muito.

— Era ele quem de fato exercia o mandato da Flordelis - disse Leite, que complementou: — Em princípio não foi ela quem puxou o gatilho. Em princípio.

Leite repetiu trechos de um relatório da investigação policial no qual diz que a deputada nada teria de "religiosa e generosa", mas, que por trás, parece ter uma pessoa "perigosa, desvirtuada e manipuladora".

Flordelis negou sua participação no crime e pediu que a Câmara aguardasse seu julgamento na Justiça para decidir sobre o futuro de seu mandato.

Ao Conselho de Ética, ela afirmou que sua cassação vai tirar o sustento de sua família e abrir caminho para que seus "detratores" a mandem para a cadeia.

— Todos sabem como desconstruir político dá Ibope — afirmou Flordelis ao conselho, dois meses atrás.