Projeto "Levanta-te, Vem para o Meio" na inclusão de PCDs no mercado de trabalho

O trabalho de busca ativa acrescentou de dezembro até agora, 130 novos cadastros na base de dados
Por Alexandra Teodoro

É exigido pela lei que toda companhia de grande porte, ou seja, com 100 ou mais funcionários, destine uma quantidade de vagas para portadores de deficiências. Os padrões são: 2% das vagas para deficientes em empresa com 100 a 200 colaboradores.

O projeto Trabalho Acessível, que é desenvolvido pela ASA (Ação Social Arquidiocesana). Trabalha com PCD’s -pessoas com deficiência -  para compor banco de dados/talentos, visando qualificação e inserção no mercado de trabalho, através da lei de cotas.

Fruto de parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT/PI) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o projeto Trabalho Acessível executado pelo Serviço “Levanta-te, Vem para o Meio”, visa ampliar a base de dados de Pessoas com Deficiência para qualificação e inserção no mercado de trabalho e apresenta bons resultados.

O trabalho de busca ativa acrescentou de dezembro até agora, 130 novos cadastros na base de dados do “Serviço Levanta-te, Vem para o Meio” e destes 26 já foram inseridos no mercado de trabalho, através da contratação por empresas parceiras e que precisam cumprir a lei de cotas.

O projeto Trabalho Acessível é fruto de um desafio do MPT para aumentar a base de dados de Pessoas com Deficiência atendidas no nosso Serviço, que tenham possibilidade de inserção no mercado de trabalho.

“É corrente o falso entendimento, por parte das empresas que precisam cumprir a Lei de Cotas (Lei 8.213), de que não há mão de obra qualificada. Nosso cadastro mostra o contrário. Temos PCD’s prontos para trabalhar nas mais diversas áreas e com os mais diversos níveis de qualificação”, frisa Marcos Júnior, Coordenador do Serviço “Levanta-te, Vem para o Meio”.