Dose de reforço é essencial para proteção contra a Covid-19 alerta Sesapi

No Brasil, a dose de reforço está liberada para toda a população acima de 18 anos
Por Alexandra Teodoro

No Piauí, 726.646 pessoas receberam a dose de reforço contra a Covid-19, entre idosos e população de 18 anos ou mais. Porém, 457.648 piauienses ainda não retornaram para aplicação de sua dose complementar, segundo relatório da Fiocruz. Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) está fazendo um chamamento para este público.

O secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, alerta que uma das principais medidas que a dose de reforço traz é na ampliação da resposta imune contra o vírus. “A terceira dose ou dose de reforço vem para proporcionar o aumento da quantidade de anticorpos circulantes no organismo. Por isso chamamos nossa população apta a receber seu reforço a procurar os postos de saúde e tomar sua terceira dose”, afirmou.

Ao público idoso e aos imunossuprimidos a dose de reforço amplia a efetividade de sua imunização. “Existem pessoas que mesmo vacinadas, não desenvolvem resposta imunológica adequada, como idosos e imunossuprimidos. E a terceira dose ‘resgata’ uma parte desses que não tinham respondido adequadamente e deixando-os imunizados”, lembra Herlon Guimarães, superintendente de Atenção à Saúde e Municípios da Sesapi.

No Brasil, a dose de reforço está liberada para toda a população acima de 18 anos, que tomaram a segunda dose há quatro meses. Também está disponível a quarta dose aos imunossuprimidos, que receberam a dose de reforço há quatro meses. No caso de teste positivo para Covid-19, com a confirmação do diagnóstico, o paciente poderá se vacinar após um período de, pelo menos, 30 dias.

Além da dose de reforço, no Piauí, também estão em atraso outras 403.880 tomarem sua segunda dose, de acordo com os dados do relatório da Fiocruz. São 98.645 atrasados que receberam AstraZeneca, 83.370 os vacinados apenas com uma dose de CornaVac e 221.865 pessoas que precisam voltar para receber a segunda dose de Pfizer.

“Entendemos que muitas pessoas encontravam-se infectadas pela Covid-19, e estiveram impossibilitadas para retornar à segunda dose ou ao reforço, mas pedimos àqueles que já completaram um mês após a infecção que voltem aos postos e tomem suas vacinas”, lembra o secretário.