Rússia veta resolução condenando invasão da Ucrânia no Conselho de Segurança

Essa foi a primeira vez que o Brasi se posicionou oficialmente sobre a crise no leste da Europa
Por globo.com

A Rússia vetou a resolução do Conselho de Segurança da ONU que serviria para condenar a invasão da Ucrânia nesta sexta-feira (25). Foi o único país a votar contra, mas seu voto tem poder de veto.

A resolução recebeu o voto favorável de 11 dos 15 membros do Conselho, entre eles o Brasil, que ocupa um assento temporário no grupo. China, Emirados Árabes e Índia se abstiveram.

A representante dos Estados Unidos, a embaixadora Linda Thomas-Greenfield, foi a primeira a discursar e justificar seu voto – a favor de uma condenação à invasão russa.

Brasil se posiciona

Foto: Globo.comRússia veta resolução condenando invasão da Ucrânia no Conselho de Segurança da ONU
Rússia veta resolução condenando invasão da Ucrânia no Conselho de Segurança da ONU

Embaixador do Brasil na ONU, Ronaldo Costa Filho, disse que o Conselho de Segurança deve agir urgentemente diante da agressão da Rússia. Essa foi a primeira vez que o Brasil se manifestou oficialmente e foi contra a invasão russa à Ucrânia.

Na quinta-feira (24) o vice-presidente Hamilton Mourão disse que o Brasil não era neutro neste conflito e que não concordava com a invasão do território ucraniano. A fala foi desautorizada pelo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, durante uma transmissão pela internet.

Costa Filho disse também que o país tentou manter uma posição de equilíbrio, e que durante as negociações do texto, o Brasil procurou "manter o espaço de diálogo, mas ainda sinalizando que o uso da força contra a integridade territorial de um Estado-membro não é aceitável no mundo atual".

"As preocupações de segurança manifestadas pela Federação Russa nos últimos anos, particularmente em relação ao equilíbrio estratégico na Europa, não dão à Rússia o direito de ameaçar a integridade territorial e a soberania de outro Estado", disse o embaixador brasileiro.

Como é formado o Conselho de Segurança?

O Conselho de Segurança da ONU é formado por 15 membros das Nações Unidas. Destes, dez assentos são rotativos, e cinco são permanentes – estes são os que têm direito a veto.

Fazem parte da atual formação do Conselho de Segurança os países:

Albânia

Brasil

China*

França*

Gabão

Ghana

Índia

Irlanda

Quênia

México

Noruega

Rússia*

Emirados Árabes

Reino Unido*

Estados Unidos*

*Países com assento permanente no Conselho de Segurança. Todos eles têm direito a vetar as resoluções votadas.

O que pode acontecer após o veto?

Após a rejeição do Conselho de Segurança, um texto semelhante poderia ser enviado à Assembleia Geral das Nações Unidas, para ser avaliada pelos 193 membros da ONU e onde não há direito de veto.

O texto vetado pelos russos havia sido apoiado por cerca de 60 países – além dos 11 membros do Conselho que foram favoráveis a ele –, e pedia para a Rússia "cessar imediatamente o uso da força" e "abster-se de qualquer ameaça ilegal ou uso de força contra um estado membro da ONU".

A resolução pedia ainda que a Rússia "retirasse imediata, completa e incondicionalmente" suas forças militares da Ucrânia e "revertesse" a decisão de reconhecer a independência das províncias do leste ucraniano de Donetsk e Luhansk, em guerra, uma vez que "viola a integridade territorial".