Oleiros, vazanteiros e artesãos participam de reunião de estruturação de projeto

O Lagoas do Norte já tem mapeadas essas atividades e mantém conversas com as comunidades
Por Alexandra Teodoro

A equipe de técnicos e direção do Programa Lagoas do Norte foi até o bairro Olarias e à Vila Apolônia na manhã desta sexta-feira (07) para conversar com as comunidades de artesãos, oleiros e vazanteiros sobre as necessidades que esses profissionais têm de estruturação dos seus locais de trabalho. Na consulta, foi possível captar qual tipo de espaço eles precisam e quais os materiais necessários para o desenvolvimento das atividades econômicas.

O Lagoas do Norte já tem mapeadas essas atividades e mantém conversas com as comunidades. A partir disso, já foi desenvolvida uma ideia inicial para atendimento. “Hoje a comunidade é próxima e temos esperança de que o projeto chegue logo para que a gente possa resolver todos esses problemas. A comunidade gosta de trabalhar e estamos querendo é meios. Todos aqui somos órfãos porque perdemos nossos pais para o trabalho escravo nas olarias. O que queremos é melhorar as condições do nosso trabalho”, afirma Eliude Gomes de Sousa Silva, presidente da Associação dos Oleiros e Artesãos.

Foto: AssessoriaOleiros
Oleiros

Os oleiros e artesãos estão trabalhando nos barracões no fundo de suas casas, com muitas famílias dividindo o mesmo espaço em condições insalubres, sem local adequado para o armazenamento da argila nem do produto final. Também necessitam de espaço para que os caminhões de transporte estacionem, de forno para a queima das peças e de espaço para a comercialização.

Já os vazanteiros enfrentam problemas de estrutura nas cercas. Eles reclamam que animais de médio porte danificaram as cercas que protegem as vazantes e comeram a produção, causando prejuízos constantes.

O programa está estudando e projetando, em consonância com as comunidades, as alternativas para a solução das demandas. “O programa já está em conversa com essas comunidades há algum tempo e sabemos quais são as suas necessidades. Vamos dar sequência ao projeto com o objetivo de proporcionar que eles tenham melhores condições de produção tanto nas vazantes quanto nos barracões dos oleiros e artesãos”, afirma Bruno Quaresma, diretor-geral do PLN.

Saiba mais sobre: