Conselho aciona órgãos para imunização de farmacêuticos contra Covid-19

Farmacêuticos estão no grupo prioritário de trabalhadores da saúde que serão imunizados na fase 1
Por Alexandra Teodoro

Os farmacêuticos estão inseridos no grupo prioritário de trabalhadores da saúde que serão imunizados contra a Covid-19 na fase 1 do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação, do Ministério da Saúde, e para que esta determinação seja cumprida, o Conselho Regional de Farmácia do Piauí (CRF-PI) protocolou no último dia 19, ofícios junto a Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS) e Secretaria de Estado da Saúde (SESAPI).

Foto: ArquivoLuiz Júnior
Luiz Júnior

O presidente do CRF-PI, Luiz Júnior, destaca que os farmacêuticos foram essenciais desde o início da pandemia em diversas áreas e que agora, também devem ser tratados da mesma maneira. "Entendemos que inicialmente devem ser vacinados aqueles profissionais envolvidos no cuidado direto aos doentes, mas precisamos garantir que os nossos colegas farmacêuticos, seguindo a precedência do Ministério da Saúde, assim como os demais trabalhadores das farmácias, sejam imunizados na fase 1".

Segundo Luiz, os profissionais que atendem nas farmácias e drogarias estão sempre expostos e correndo risco de serem contaminados, daí a necessidade de serem imunizados nessa primeira fase do plano nacional de vacinação. "Quando uma pessoa apresenta sintomas gripais, geralmente, o primeiro local que ela procura é a farmácia, assim como, se for diagnosticada com Covid-19 sem necessidade de internação, esse paciente vai à farmácia com a receita para compra do medicamento, expondo os profissionais que realizam o atendimento", alerta.

"Além de atendimento direto a população nos hospitais e unidades Básicas de Saúde (UBS), os farmacêuticos deram suporte ao funcionamento das 90 mil farmácias durante o isolamento social e já realizaram mais de 1,4 milhão de testes de covid-19 nesses estabelecimentos, além de estarem envolvidos na pesquisa de vacinas e de medicamentos, trabalhar na indústria e na logística para suprir os serviços de saúde, garantir a realização de exames nos laboratórios de análises clínicas, atuar na vigilância sanitária e ter participação decisiva para a chegada da vacina ao Brasil", ressalta o presidente do CRF.

Luiz Júnior conta que há farmacêuticos sendo vacinados na capital e no interior do estado, principalmente os que atuam nos hospitais e em unidades de saúde envolvidas no cuidado direto aos doentes com covid-19, mas pede calma aos que deverão aguardar um pouco mais pela vacina. "Todos os profissionais da saúde precisam e serão imunizados, mas perante a situação atual, muitos terão que aguardar, já que as doses estão chegando de forma gradativa, sendo que, nossa reivindicação maior é que o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, que coloca o farmacêutico como prioridade para a imunização, seja cumprido", argumenta.

Saiba mais sobre: