Paralimpíada celebra a diversidade e encerra com festa

Tema da festa de Tóquio foi 'cacofonia harmoniosa'
Por Terra
Foto: TerraO Brasil foi representado por Daniel Dias. Em sua última participação nos Jogos
O Brasil foi representado por Daniel Dias. Em sua última participação nos Jogos

A Paralimpíada de Tóquio terminou com uma cerimônia de encerramento bela e tocante. Daniel Dias foi o representante do Brasil, atuando como porta-bandeira e também sendo 'empossado' como membro do Conselho de Atletas do Comitê Paralímpico Internacional (IPC), cargo que ocupará até a Paralimpíada de Paris em 2024.

O tema da festa de Tóquio foi 'cacofonia harmoniosa', ou seja, um caos organizado, como demonstrado nas diversas apresentações de música e dança. Também levou muito o tema 'cidade em construção', contando com os porta-bandeiras das delegações para completar uma réplica da Sky Tree Tower, prédio mais alto de Tóquio, que integrou uma cidade de maquetes. Tóquio foi bastante representada nos vídeos. Próxima sede paralímpica, Paris apresentou dois vídeos e transmitiu ao vivo os cidadãos franceses celebrando.

A cerimônia começou com um vídeo mostrando as mais diversas modalidades disputadas e diferentes estilos de música sendo tocados na capital japonesa, e emendou com os músicos, com diferentes deficiências, se apresentando ao vivo no Estádio Nacional, enquanto um show de luzes emulava o cruzamento de Shibuya, um dos mais movimentados de Tóquio e do mundo.

A apresentação prosseguiu com dançarinos, primeiro com breakdance, patins e bicicletas BMX, depois representações dos games de luta e, por fim, com as luzes e as pessoas mostrando como o espírito paralímpico se espalha através do mundo. Terminou com a frase 'obrigado a todos os paralímpicos'.

Na sequência, ocorreu a parte mais protocolar da cerimônia, com o hasteamento da bandeira do Japão e o hino japonês cantado por um coral inantil. Assim como na cerimônia de abertura, foi exibido o vídeo da campanha #WeThe15 (Nós, os 15), produzido pelo Comitê Paralímpico Internacional e que pede que as pessoas com deficiência sejam tratados como pessoas normais, apenas com algumas características extras. O nome da campanha faz referência aos 15% da população mundial que tem algum tipo de deficiência.

O Brasil foi representado por Daniel Dias. Em sua última participação nos Jogos, o nadador conquistou três bronzes e chegou a 27 medalhas paralímpicas (14 de ouro, sete de prata e seis de bronze). Dias é o maior medalhista brasileiro em Paralimpíadas e o quarto entre todos.