Netflix lança série Mistério e Morte no Hotel Cecil

Produção desmistifica teorias sobre a vítima
Por Alexandra Teodoro

Se o assunto é mistério essa série foi lançada na hora certa. A Netflix exibe filme sobre um caso misterioso que chocou o mundo em 2013. A morte de Elisa Lam. Chega-se à ideia de teorias da conspiração.

Foto: ReproduçãoCaso Elisa Lam
Caso Elisa Lam

O caso é um dos mistérios sem explicação.  A morte de uma jovem de 21 anos, oriental, chinesa. 

A história que todos ouviram até ho0je é a seguinte: Elisa morava no Canadá. Foi passar férias nos Estados Unidos. O destino escolhido foi a costa oeste do país, mais precisamente o estado da Califórnia. Ao desembarcar em Los Angeles, ela escolheu a hospedagem mais em conta: o Cecil Hotel. Endereço da sua morte. Dias depois, quando não dava mais notícias ela foli encontrada morta.  

Onde está o mistério?
A jovem Elisa foi encontrada  em uma das caixas d'água do hotel e não existirem provas concretas sobre como isso aconteceu fez com que a sua história se tornasse um grande mistério sobrenatural, ou ainda abrindo a possibilidade de envolver algum esquema maior do que podemos imaginar, seja com a própria administração do estabelecimento ou com a polícia.

O fato é que a história ganhou as telas na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil, que estreou no dia 10 de janeiro na Netflix. A produção reúne todos os fatos que já aconteceram no local, que fica em uma das regiões mais perigosas do mundo, e tenta relacionar com o mistério que tirou a vida de Elisa Lam.

Spoiler

Desde que o caso veio à tona, seja com a divulgação do vídeo assustador de Elisa visivelmente perturbada no elevador do hotel, ou ainda com a revelação de que ela estava morta em um grande tanque d'água no telhado do local, não só a polícia tentava desvendar o caso, como o tribunal da Internet. A reputação do Cecil Hotel, que já foi cenário de diversas tragédias ao longo de sua história, deu abertura para que pessoas comuns tentassem descobrir o que aconteceu da sua forma, e é essa uma das abordagens do documentário, trazendo fortes críticas.

A série relata todas as mortes que aconteceram no hotel, mas fica claro que o seu objetivo é desvincular o caso de algo paranormal, tentando melhorar a reputação do local. De fato, a morte de Elisa Lam e as causas foram inconclusivas, mas a produção traz novas informações e monta todas as peças desse quebra-cabeça para trazer possibilidades que fazem sentido. Tudo isso é feito com entrevistas com pessoas que trabalhavam no hotel, incluindo a gerente da época e o funcionário que encontrou o corpo da jovem, policiais, pessoas que estavam hospedadas lá na mesma época e uma narradora lendo as publicações de Elisa nas redes sociais.

Outra abordagem do documentário é trazer um pouco de humanidade à Elisa Lam, desmistificando todas as teorias da conspiração sobre a sua morte, chegando apenas a uma conclusão triste: a jovem sofria do tipo mais grave de bipolaridade. Muitas informações que chegam nas redes sociais são o que as pessoas querem saber, como a possibilidade de ela ter sido assombrada por alguma alma penada nos corredores do hotel. Mas a realidade consegue ser ainda mais triste.

Ligando todos os fatos e acrescentando novas informações, as peças encaixadas fazem sentido quando concluem que Elisa estava perturbada psicologicamente e acabou se matando de forma acidental. A série, inclusive, revela que, ao contrário do que muitos pensavam, a tampa da caixa d'água estava aberta, justificando a possibilidade de ela mesma ter entrado ali. Sobre o corpo estar sem roupas, um médico legista explica as condições do corpo e sensações que acontecem durante situações de afogamento e hipotermia.

Por fim, a série documental tem como principal objetivo acabar com as teorias da conspiração sobre o caso, trazer respostas concretas e ajudar a melhorar a reputação do hotel, mesmo que para isso tenha sido necessário expor ainda mais Elisa Lam, suas fragilidades e o seu trágico fim. A apresentações de todos os outros crimes que aconteceram por lá não chegam a ser explorados, deixando o ceticismo tomar conta de toda a história. Talvez, o caminho escolhido para contar o caso tenha sido um pouco decepcionante para quem esperava um típico documentário sobre crimes reais, afinal, segundo as próprias conclusões apresentadas, não houve qualquer crime, mas sim um acidente.