Festival vai reunir música, artes visuais e outras linguagens

Terceira edição será nos dias 19 e 20 de novembro
Por Alexandra Teodoro

A edição de 2021 vem diferenciada por natureza. O Piaga traz como linguagem o Ouro Cultural , ou seja, um pouco do ques e produz no segmento cultural nesse Estado. O evento está em sua terceira edição e acontece nos dias 19 e 20 de novembro, no complexo cultural Clube dos Diários.

O projeto foi pensado em 2018, pela equipe da Olimpo e executado pela primeira vez em 2019.  A ideia era reunir em um só ambiente várias linguagens artísticas.  A primeira edição foi sucesso de público e de participantes. 14 atrações musicais e 28 expositores, além de atrações do teatro, dança e curta-metragem. Com a pandemia, a edição de 2020 teve que ser realizada on line, com seis horas de duração, bandas no palco e matérias sobre os outros segmentos artísticos, o que foi possível através do incentivo da Lei Aldir Blanc,  no edital Maria da Inglaterra.

Nesse ano, com a flexibilização das medidas restritivas, o evento volta a ser presencial. A expectativa é bem grande para receber artistas e público nessa grande festa da arte piauiense. A galeria vai abrir às 15h para apreciação das artes em exposição. Simultaneamente, haverá exibição de curta-metragem no Teatro Torquato Neto. Os shows musicais iniciam às 18 horas na sexta e às 17h30 no sábado. A programação completa no pefil do evento, no instagram @piaga_festival

Saiba quais bandas estrão se apresentando no evento:

Foto: assessoriaDeguella
Deguella

Deguella Band - A banda de New Metal, formada em 2007, a despontou na cena do metal piauiense, sendo pioneiros no cenário. 
🤘 Em sua primeira fase laçaram "Nada a perder". Já em 2013 com nova roupagem "Headshot" surge, que apesar de intitulado em inglês a banda investe em letras em português; Em 2016 a banda aposta em uma pegada mais eletrônica sem deixar de lado o peso do metal. E em 2017 tem EP lançado chamado "Imbecil". 💀 A banda está em produção de novo EP, tendo como formação atual, @chefleopoldo (voz), @padua_belo (guitarra), @riolimap (baixo), @caiogalvaoo
(bateria), @ednardorcleao

Foto: assessoriaNarcoliricista
Narcoliricista

Narcoliricista é revelação entre os músicos piauienses. Sua versatilidade que permeia entre o rap, soul e r&b e o permite literalmente dançar com a música no palco. Esteve na primeira edição do Piaga, em 2019. A ele coube abrir a temporada. Sucesso total! 

Desde 2019, quando lançou seu primeiro trabalho solo intitulado OMUP - Oscilações Mentais de um Preto, consolidou sua carreira solo e surpreendeu na produção musical do QuilomboLouco Beats e na qualidade da música aliada a art/capa e Animação de artistas piauienses como Malcom Jefersson e Ambrósio Pentú. 

João nasceu e se criou em Teresina/PI, acumulando vivências na Zona Sul da capital e desde cedo envolvido com o Hip Hop através do coletivo Narco Crew e a Casa do Hip Hop de Teresina.

Foto: assessoriaNeanderthais band
Neanderthais band

Neanderthais Band surgiu em 2009. No começo a idéia era tocar o som blues rock country que os integrantes tinham como referência, somando com a experiência musical de cada um deles, que desde sempre já tinham com o objetivo tocar suas próprias músicas. Em 2019 a banda entrou em estúdio para gravar o ep keepin on. O plano era lançar antes em 2020, mas a pandemia adiou o projeto. E o período de isolamento serviu para que a NEANDERTHAIS se concentrasse em produzir mais. Fizeram apresentações em lives patrocinadas e quando o comércio de entretenimento abriu as portas novamente, voltaram aos shows. 
Da formação original permanecem EZEQUIEL E AMONRÁ. Nos dois últimos anos a banda absorveu o trabalho do baixista IZIDIO CUNHA e do baterista FILIPI SOUZA. O som autoral, inconfundível é marcado por melodias que não saem do nosso juízo. E logo teremos o EP que já está no forno. O que esperar do repertório desse próximo trabalho? Ah, ao estilo NEANDERTHAIS: muito rock and blues com pitada de country, arrebatados.

Foto: assessoriaPreto Kedé
Preto Kedé

  Preto Kedé 

Aos 14 anos teve seus primeiros contatos com cultura Hip-Hop. A dança do breaking e os eventos de batalhas de MCs abriram espaço pra o mergulho de Preto Kedé no mundo artístico da música. Descobriu o universo da produção audiovisual voltado para a cultura afrodescendente e a valorização da estética e beleza africana.

Em 2016, o filme "Deixa a Chuva cair”, documentário baseado em sua vida, chegou ao Festival de Cannes. Uma narrativa sobre a irmandade que usa o rap como ferramenta para enfrentar conflito de grupos rivais e abordar temas universais como racismo e contato com as drogas. Em 2020 o rapper lançou a música Pretralhadora. Com o novo som, ele também fez um ensaio fotográfico denominado de "Eu vim da África", onde exalta as raízes do povo africano.
Vem ganhando espaço na cena do rap nacional após o lançamento do single “10K“, que chegou às plataformas em dezembro de 2020. A faixa contou com a participação especial de Dinan Ogan ( @dinanogan ). O videoclipe “10K” foi gravado em Barra Grande, produzido pela Brooklyn filmes ( @_broklynfilmes_ ).

Foto: assessoriaMachado Júnior
Machado Júnior

Machado Junior

Prestes a completar 35 anos de uma carreira que começou nos anos 80, tocando e cantando nas bandas de rock da cidade, Machado Junior é músico, produtor musical, poeta, compositor, jornalista e publicitário. É um dos compositores mais gravados por bandas e artistas do Piauí. Já participou de vários festivais no Piauí e em vários estados do Brasil. Machado fez parte da várias bandas de Teresina, como Brigite Bardot, Banda Luau, Noigandres, Asseclas e M-16.
Além de estar preparando seu segundo CD solo "Toda poesia que havia". Seu primeiri CD uma cd foi "Brasileiro" (Através da lei A. Tito Filho, pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves). Está ainda na coletânea digital lançada em Agosto de 2020, em mais de 15 plataformas digitais, chamada "Kamikaze Solidão". É um dos compositores da coletânea "Torquato Neto, Inéditas Entre Nós", cd duplo lançado em 2019, onde participa com duas músicas em parceria com nosso eterno poeta anjo/torto.
No ano que completa 35 anos de carreira musical, está preparando seu mais novo álbum "Toda Poesia Que Havia", aprovado no Sistema de Incentivo Estadual a Cultura, SIEC 2020.

"Toda Poesia Que Havia" também da nome ao show que Machado Junior traz para o Festival Piaga, um mix de releitura de sua canções, composições inéditas, parcerias conhecidas do público, gravadas por intérpretes e bandas piauienses como Batuque Elétrico, Zé Roraima, Brigite Bardot, Yuri Raphael, Flávio Nogueira, Laurenice França, Soraya Castelo Branco, Mirton, Danilo Rudah, Wilsef Lago, entre outros nomes da música piauiense.

Foto: assessoriaNós e Chico
Nós e Chico

 A banda Nós e Chico vem de Floriano. Formada por 4 irmãos (Elmar, Elyonay, Evando Jr e Jonatha) e um amigo em comum, o Francisco ou simplesmente Chico, o que justifica o nome da banda. Lançaram quatro singles e um álbum, disponíveis em todas as plataformas de música, e ainda, produziram um clipe para cada música, disponibilizados no youtube. O primeiro disco da banda Nós e Chico, ‘’Manual De Um Sonho Bom’’ foi produzido durante o segundo semestre de 2020 com gravação entre fevereiro e março de 2021 no Stúdio Apenas 1Teste, com produção de Jonatha Carvalho. O disco foi lançado no dia 24/09 e está em todas as plataformas de música com 8 faixas inéditas. Todos os integrantes da banda assinam ao menos uma composição.

Foto: assessoriaAlma Roots
Alma Roots

O reggae chega muito bem representado pela banda Alma Roots. A ideia é trazer uma mensagem Espiritual e Social, das Raízes do Espírito, pregando amor, liberdade, humildade, positividade e consciência social através de suas letras e canções que geram impacto por onde passa. A banda leva uma sonoridade simples com letras fortes e uma energia incomparável no palco.
Vencedora de vários festivais no Piauí e fora do estado a banda se destaca hoje como uma das bandas mais influentes no cenário Reggae local, regional e até Nacional.
Lançou seu primeiro Cd chamado "Buscando a Essência do Som" no ano 2017. A Banda também teve o Clipe da canção “Hoje eu to de Boa” exibido nos canais Play Tv e BIS, sendo ainda premiado no festival de Clipes de Barueri -SP, Melhor Música e Letra Chapadão 2018 para o single Independência ou Morte.
Em 2018 reuniu uma multidão de quase 2 mil pessoas na gravação do 2º CD “ALDEIA” no Espaço Cultural Osório Júnior, ao vivo com várias participações locais e nacionais. Entre elas Dada Yute (Ex Leões de Israel), Ras Kadhu (Ja I Ras).
Em 2019 lançou um Pocket DVD e gravou o primeiro DVD oficial chamado “Família Forte” no festival CIRCUITO PIAUIENSE DE REGGAE para um público de mais de 10 mil pessoas.

Durante todo o período de pandemia a banda investiu em gravações audiovisuais e Na gravação do primeiro DVD Acústico que será lançado em 2022. “ACREDITE” uma das maiores produções da história da música Piauiense sendo o primeiro DVD do Brasil gravado em dois estados ao mesmo tempo, Piauí e Maranhão. 

Foto: assessoriaFlorais da Terra Quente
Florais da Terra Quente

Em atividade desde o segundo semestre de 2018, a Florais Da Terra Quente visa condensar as personalidades e estilos de seus nove membros em um trabalho autenticamente coletivo e autoral. A Própria formação da banda é um atestado dessa coletividade: com cinco compositores e seis vocais, o grupo adota a antropofagia cultural como missão estilística, equilibrando tendências externas e internas na produção de um resultado moderno e original. 

Em 22 de novembro de 2020, a banda lançou seu primeiro álbum homônimo e se consolidou com uma das bandas mais escutadas de todo o estado do Piauí. Misturando MPB, folk e balada com batidas de rock e marchinha, o projeto carregou o nome da "Terra Quente" teresinense por mais de um milhão de streams somente no Spotify.

Atualmente, a faixa-bônus "São João em Março", autopublicada em 2020, é o lançamento mais recente da banda, que está em processo de gravação e edição de singles. Em reserva para o futuro próximo estão, por exemplo, planos de featuring com artistas nacionais que ostentam mais de cem mil ouvintes mensais!

 A Florais da Terra Quente é:
Artur Caldas ( @artur_caldas ) - composição, vocal, guitarra e violão
Evie Ferreira ( @aliveferreira ) - Bateria
Klenda Pinho - Vocal
João Mereu ( @jarlsnaer ) - Violino
Jusce Alves ( @juscelinoraf ) - Composição, vocal e violão
Marcelo Moura Fé ( @marcelomourafe ) - Composição, vocal, baixo e violão
Maria Clara Leite ( @meeeuri ) - Composição e vocal
Rafael Marques ( @cloudestmind ) - Baixo
Yngla Hillary ( @hs_yngla ) - Composição, vocal e violão

Foto: assessoriaFronteiras Blues
Fronteiras Blues

  Fronteiras Blues é atração desta terceira edição do Piaga. Também esteve nas duas edições anteriores. Resiliência é o nome do álbum da banda. A ideia surgiu a partir de uma das canções mais recentes da banda, que leva o mesmo nome. O show reúne as composições autorais ao longo da carreira. O período que compreende a formação da banda até 2019, a Fronteiras amadureceu, agrupando as vivências de viagens e shows pelo Piauí a fora. Dessas viagens surgiram novas composições que contam um pouco sobre essa estrada.

O primeiro disco “Entre o céu e o inferno", foi lançado em outubro de 2015. Desde então a banda tem se dedicado ao seu trabalho autoral. O repertório autoral inclui canções que condensam a vocação popular da banda, especialmente por refrões marcantes, que a gente aprende de primeira audição. O resultado é esse misto de emoções ritmadas pelo melhor do blues rock.

Foto: assessoriaGaroto Andróide
Garoto Andróide

  A Garoto Androide é uma banda de Teresina (PI), formada por Joniel Santos (Guitarra e Voz), Ilana P (Baixo) e Lerraj Santos (Bateria) influenciada pelo grunge, hardcore, e rock alternativo e com letras que abordam diversos aspectos dentro da vivência social e pessoal, de forma crítica/reflexiva e propondo uma sonoridade pesada e melodiosa.
A banda esteve em constante atividade se apresentando nos eventos de rock dentro no cenário underground local. Atualmente está trabalhando na divulgação do seu último lançamento, o EP “Exercícios de Autossabotagem”, com cinco faixas, disponíveis nas principais plataformas, o videoclipe da música “Anomálico”, faixa que abre esse trabalho, uma live Session gravada recentemente no estúdio Caverna Produções, além de estar preparando outros lançamentos para os próximos meses.

Foto: assessoriaValor de PI
Valor de PI

  Vagner Ribeiro e Valor de PI

Mais do que uma banda de música nordestina ou uma trupe de contação de história, Vagner Ribeiro e Grupo Valor de PI celebram alegrias, dramas, invenções e tradições construídas a partir da sabedoria popular embrenhada nos sertões de dentro.
Uma música que imagina narrar a saga do indígena Caatingajara, da tribo Tabajara, que ao fugir de várias formas de escravização em seu próprio país, torna-se um peregrino encantado por romances d’amores em brasis diversos. O personagem transcende tempos e espaços de um poeta-filósofocantador a mergulhar em sertões imaginários, memórias coletivas, possibilidades de pertencimento e vivência cultural. O grupo reúne, além de Vagner Ribeiro, os instrumentistas Walber, Marcelo, Zaqueu e Dalila.

Foto: assessoriaProjeto Terça Instrumental
Projeto Terça Instrumental

  O Projeto Terça Instrumental foi criado em 2020 com o objetivo de fomentar a prática da música popular instrumental na cidade de Teresina. É formado por um conjunto fixo de músicos que se apresentam semanalmente no restaurante/bar Tinindo e Trincando, mas conta também regularmente com convidados dos mais diversos gêneros e estilos. Dessa forma, o projeto busca criar um polo para a convívio e a troca de experiências entre músicos e apreciadores da música instrumental.

🎵 Além de possuir um abrangente repertório que contempla tanto clássicos do jazz quanto da música brasileira, o projeto também conta com músicas de autoria de seus integrantes. Atualmente, é o único evento regular de música instrumental na cidade de Teresina.

🎺 A partir desse convívio e da intensa troca de experiências que ele possibilita, os integrantes fixos do projeto Terça Instrumental passaram a construir uma estética própria, que mescla sonoridades de diversas influências da Música Popular Instrumental Brasileira (MPB) e explora as diversas possibilidades da arte da improvisação musical nos ritmos da música brasileira. Algumas das características que moldam a singular expressividade do conjunto são os acordes ressonantes característicos da música mineira; as passagens virtuosísticas do samba/choro moderno; ideias originais de levadas e convenções rítmicas; dentre muitas outras.
Portanto, o projeto Terça Instrumental busca tanto agregar as diversas experiências dos músicos instrumentistas da cidade de Teresina, a partir de um ambiente acolhedor de todas as práticas que se inserem na categoria da música instrumental, quanto buscar uma sonoridade própria a partir da integração de músicas autorais no amplo repertório da MPB.

Serviço:

📍 Onde? Galeria do Clube dos Diários + Teatro Torquato Neto + Espaço Osório Júnior.

O Piaga tem o patrocínio de:

👉 @equatorial.pi através do SIEC da @cultura.pi 👉 Conselho de Cultura do Piauí - @conselhocultpi , através do projeto Formação de Plateia

Apoio: @damascotshirt | @roomboxhomestudio | @agazeta.news | @geleiatotal

Saiba mais sobre: