A quarta-feira de cinzas é o dia seguinte ao Carnaval. Não é feriado!

Essa data dá início à Quaresma, que compreende o período entre a quarta de cinzas e a quinta santa
Por Alexandra Teodoro
Foto: ArquivoEssa data dá início à Quaresma, que compreende o período entre a quarta de cinzas e a quinta-feira santa
Essa data dá início à Quaresma, que compreende o período entre a quarta de cinzas e a quinta-feira santa

A quarta-feira de cinzas é o dia seguinte ao Carnaval. Também chamado de Dia das Cinzas, não é feriado. No entanto, por questões culturais, geralmente os expedientes começam às 12h desse dia, após o ponto facultativo do Carnaval.

Essa data dá início à Quaresma, que compreende o período entre a quarta de cinzas e a quinta-feira santa (semana antes da Páscoa).

A contagem do período da Quaresma é feito da seguinte forma: a partir da quarta de cinzas conta-se os dias até a quinta-feira santa. Os domingos, no entanto, não devem ser contados, pois a Quaresma é um tempo de penitência, em que os fiéis devem fazer sacrifícios, mas o domingo não deve ser dedicado a sacrifícios, por isso não entra nessa contagem.

Significado da Quarta-feira de Cinzas

Quaresma vem da palavra "quarenta", fazendo referência ao tempo em que Jesus esteve sozinho no deserto e o demônio fez-lhe várias provocações.

Os cristãos reservam a data para a reflexão, arrependimento dos pecados cometidos e para fazer jejum (principalmente, deixando de comer carne vermelha e, em vez dela, consumindo peixe), pois desta forma, recordam o jejum feito pelo próprio Jesus.

Além disso, a quarta-feira de cinzas é um dia em que os fiéis católicos devem ir à missa. Nesta, ocorre uma cerimônia onde os presentes são benzidos, geralmente na testa, com um pouco de cinza proveniente de ramos queimados. Esses ramos são benzidos no ano anterior no Domingo de Ramos.

Ao benzer os fiéis, o padre traça a cruz enquanto recita as palavras "Convertei-vos e crede no Evangelho".

A pequena cruz feita com a cinza sinaliza o estado de penitência que o fiel deverá guardar nos quarenta dias seguintes, bem como representa a fragilidade humana, de forma a recordar o que está escrito no Livro do Gênesis:

“Com o suor do seu rosto
você comerá o seu pão,
até que volte à terra,
visto que dela foi tirado;
porque você é pó,
e ao pó voltará".

(Gênesis 3, 19)