Mulher trans direito de colocar prótese de silicone pelo SUS

Procedimento cirúrgico está previsto em portaria do Ministério da Saúde desde 2013
Por Terra
Foto: AssessoriaProcedimento cirúrgico está previsto em portaria do Ministério da Saúde desde 2013
Procedimento cirúrgico está previsto em portaria do Ministério da Saúde desde 2013

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo determinou nesta semana que a prefeitura da capital e o governo estadual concedam a uma mulher trans o direito de realizar uma cirurgia de prótese de silicone nos seios. A assistente social Tiffany Euzébio faz hormonoterapia há sete anos e precisa do procedimento para melhorar sua auto percepção de gênero e bem estar.

Na decisão, o juiz Marcelo Stabel de Carvalho Hannoun sustenta que o município e o estado negaram o procedimento cirúrgico alegando que se trata de uma cirurgia eletiva, que não demanda urgência ou emergência.

"Não se trata de existência ou inexistência de urgência ou emergência no procedimento pretendido. É sobre a pretensão à concretização do direito fundamental assegurado na Portaria nº 2.803/2013 do Ministério da Saúde, mas que vem sendo sistematicamente negado à população destinatária vulnerável", diz o magistrado.

Tiffany comemorou a decisão da justiça, mas lamenta precisar ter recorrido ao judiciário para conquistar seu direito. Ela lembra que outras mulheres trans não tiveram a mesma chance, como foi o caso da cabeleireira Lorena Muniz, que em fevereiro do ano passado viajou de Pernambuco para São Paulo para realizar o mesmo procedimento em uma clínica particular e morreu após ser abandonada pela equipe médica em um incêndio que atingiu o local.

"A cirurgia é uma forma de me adequar ao meu gênero. Eu faço tratamento há anos e tenho esse desconforto. Eu fiquei feliz com a decisão, mas ao mesmo tempo frustrada por ter que recorrer ao âmbito judiciário para conseguir um direito que está garantido na lei e é negado", conta a assistente social, em entrevista à Alma Preta Jornalismo.

O procedimento cirúrgico que a prefeitura e o governo paulista negou à Tiffany está prevista em uma portaria de 2013 do Ministério da Saúde, que redefine e amplia o Processo Transexualizador no SUS.

De acordo com a defensora pública Camila Galvão Tourinho, a implementação da política pública de atendimento a pessoas trans é responsabilidade dos estados e municípios. O problema é que em São Paulo, por exemplo, falta vontade da administração pública em garantir o que determina a portaria.

"A Constituição Federal prevê que a responsabilidade pelo atendimento de saúde da população é, ao mesmo tempo, da União, Estados e Municípios. O que se observa é que há uma omissão dos entes da federação em implementar políticas públicas adequadas ao atendimento de saúde das pessoas trans e travestis", explica.