Adriane revela como é ser a primeira mulher a apresentar um reality no Brasil

Animada com a volta à Record após 18 anos, com a estreia da quinta temporada do Power Couple Brasil
Por rd1
Foto: AssessoriaGalisteu
Galisteu

Animada com a volta à Record após 18 anos, com a estreia da quinta temporada do Power Couple Brasil, Adriane Galisteu contou como tem se preparado para enfrentar a rotina enquanto estiver no ar.

A apresentadora, que mora em São Paulo, terá que se deslocar diariamente para o set de gravação, localizado em Itapecerica da Serra, no interior do Estado.

Galisteu disse que já pensa em alugar uma casa no meio do trajeto para evitar cair no trânsito da capital paulista e que amenize sua jornada ao volante, diminuindo, portanto, a distância.

“É um frio lá [em Itapecerica da Serra]. Eu ainda não me programei. Vou experimentar a primeira semana para ver como fica, mas já estou pensando em meus horários e vi que tem um hotel ali perto. De repente, eu consiga alugar uma casa ali perto para facilitar. O grande problema aqui é o trânsito. Na verdade não tem problema ir e voltar, mas os horários são”, comentou.

Diretor de núcleo do projeto, Rodrigo Carelli reforçou a declaração da apresentadora e concordou que a temporada requer maior dedicação. “É uma jornada. Nessa temporada de Power Couple é a que mais exige dos apresentadores. Certa vez, o Gugu [Liberato] chegou pra mim, deu uma suspirada e disse: ‘Eu nunca trabalhei tanto na minha vida’. Eu falei isso pra Adriane”, contou o diretor.

Mulheres no controle

Celebrando o retorno à Record, Adriane Galisteu tem algo mais a comemorar: a apresentadora será a primeira mulher a comandar um reality show no Brasil. A dose dupla de novidades da emissora traz a loira bem disposta a fazer seu momento ser único e seu retorno à TV triunfal.

“Somos nós mulheres conquistando mais espaços. São características que são muito masculinas. O domingo, por exemplo, é um dia muito masculino. Os realities, por algum motivo, sempre foram dominados por homens. O esporte sempre teve muito mais homens do que mulheres, mas hoje isso está mudando”, avaliou Galisteu, que destacou as mulheres narrando futebol na TV.

“Estou muito feliz de poder representar mais esta conquista no nosso país e em nossa televisão”, reforçou.