O babalorixá reforça que 2022 será o ano da tecnologia e da ciência

Flávio de Ogum fala sobre uma crise de desentendimentos no âmbito mundial
Por Alexandra Teodoro

Para o povo do Candomblé o ano de 2022 será regido por Yemanjá, senhora dos ORÍS (cabeça), por IBÊJI e por EXÚ (senhor da comunicação).

O babalorixá Flávio de Ogum explica que a orixá regente “traz sabedoria inteligência e também a ponderação”. Ibêji é o espírito de criança, agindo com emoção e impulsos. Yemanjá entra com a razão para ponderar as ações.

Para quem não conhece as divindades, Ibêji são divindades gêmeas, sendo costumeiramente sincretizadas aos santos gêmeos católicos Cosme e Damião.

Flávio de Ogum fala que “teremos que nos atentar bem para decisões pessoais em todos os âmbitos, reflexão e razão serão a palavra-chave desse próximo ano.

Foto: AssessoriaFlávio D'Ogum
Flávio D'Ogum

O babalorixá reforça que 2022 será o ano da tecnologia e da ciência, novas vacinas e descobertas de novas curas para diversas doenças ainda sem soluções. “as influências de EXU, senhor da comunicação abre caminho para os jornalistas e prevê um bom ano”, comenta Flávio de Ogum.

Sobre a política, “será um ano revelador, turbulento”. Ele ressalta que termos situações complicadas e até mesmo trágicas. Para o Piauí, o babalorixá prevê mudanças repentinas e drásticas no âmbito da política e da economia. “O Piauí sofrerá com a perda de um líder político”, fala Fávio de Ogum.

Para Flávio de Ogum surgirá uma crise de desentendimentos no âmbito mundial e que os gestores municipais terão dificuldades em administrar essa questão.

Um lembrete, segundo o babalorixá: “ter muito cuidado e ponderação nas nossas decisões”, nesse, que será um ano de reconstrução e molde pessoal. “Razão e equilíbrio nas decisões, Axé!”